terça-feira, 16 de abril de 2013

Jorge de Sena

INDEPENDÊNCIA


Recuso-me a aceitar o que me derem.
Recuso-me às verdades acabadas;
recuso-me, também, às que tiverem
pousadas no sem-fim as sete espadas.

Recuso-me às espadas que não ferem
e às que ferem por não serem dadas.
Recuso-me aos eus-próprios que vierem
e às almas que já foram conquistadas.


Recuso-me a estar lúcido ou comprado
e a estar sòzinho ou estar acompanhado.
Recuso-me a morrer. Recuso a vida.


Recuso-me à inocência e ao pecado
como a ser livre ou ser predestinado.
Recuso tudo, ó Terra dividida!


Sena, Jorge de (1961). Poesia I
Lisboa: Livraria Morais Editora. p. 100.

Nota nossa: Foi mantida a ortografia original.


Páginas Paralelas:

“Ler Jorge de Sena” (vida e obra) na página da UniversidadeFederal do Rio de Janeiro

Sem comentários:

Publicar um comentário