quarta-feira, 2 de julho de 2014

Sophia de Mello Breyner Andresen

Meio-Dia

Meio-dia. Um canto da praia sem ninguém.
O sol no alto, fundo, enorme, aberto,
Tornou o céu de todo o deus deserto.
A luz cai implacável como um castigo.
Não há fantasmas nem almas,
E o mar imenso solitário e antigo
Parece bater palmas.

Sophia de Mello Breyner Andresen (2010). "Meio-Dia". In: Obra Poética. Lisboa: Caminho, p. 18.


Terminado o semestre, a equipa de Uma Página por Dia deseja a todos/as boas férias! 

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Jean Gourmelin


J. Gourmelin (2008). Les Univers de J. Gourmelin. Paris: le cherche midi, p. 20.

segunda-feira, 9 de junho de 2014

We are losing the art of reading


The pleasures of reading involve patience, solitude and contemplation, but we rush to consume content effortlessly
Andy Miller

[The Guardian, 08.06.2014]

It has already been quite a year for lovers of book-blah. This spring, storm clouds have gathered and then broken over a succession of literary teacups. Does the publishing of gender-specific books demean our children? Should one build an English A-level around Russell Brandinterview excerpts and tweets from Caitlin Moran? Are creative writing courses a waste of time? Is Michael Gove right to have banished Of Mice and Men from the GCSE English syllabus, if indeed he has done?
The passage of these squalls is predictable. A report appears via a newspaper. Twitter goes into a frenzy of hashtags and indignation. Online petitions are launched. Philip Pullman issues a statement. Counterarguments are made. Someone denounces someone else on the Today programme. The story is updated to reflect the commotion. The clouds roll on.
I find these debates about reading as enjoyably incensing as anyone – and, just to be clear, I deplore the restrictions placed on prisoners' access to books, which seems less of a storm in a teacup and more of a violation of basic human rights. However, taken alongside the general hum of social networks, book groups, the media-shopping complex and the literary festival season now upon us, I mistrust my own eagerness to engage with this sort of stuff. It is a very good way not to get any reading done.
The fact is that when reading a book there is no substitute for reading a book. I have just written one about 50 "great" books, the research for which involved staring at lines of words on pages until first the lines, and subsequently the pages, ran out, and then thinking about them until I knew what I wanted to commit to paper. Some of the books are from the canon, and can be considered "classics" – Pride and Prejudice, Middlemarch, Moby-Dick – and some are most certainly neither: The Da Vinci Code and, in the words of the Guardian's reviewer, "something called Krautrocksampler" by Julian Cope. The experience led me to conclude that although we love to argue about books, acquire them, express strong opinions about The Goldfinch, etc, etc, more than ever we seem to be losing the knack of reading them.
In a New York Times blog, Karl Taro Greenfield talked about "faking cultural literacy". "What we all feel now is the constant pressure to know enough, at all times, lest we be revealed as culturally illiterate," he writes. "What matters to us, awash in petabytes of data, is not necessarily having actually consumed this content first-hand but simply knowing that it exists."
Greenfield is clearly on to something, but this is not an entirely new phenomenon. Book lovers habitually accumulate more than they can actually read. As Schopenhauer noted 150 years ago, "One usually confuses the purchase of books with the acquisition of their contents." And after drawing up a list of potential titles – which, incidentally, did not include To Kill a Mockingbird or Of Mice and Men, because I was made to study them at school years ago – I realised I had inadvertently self-selected a series of books which, at various points in my life, I had lied about having read. A number of people have privately admitted to me they do the same.
Arguments over whether it's better to read, say, Dante's Inferno or Dan Brown's Inferno will always be with us. Just because a book is a bestseller does not automatically mean the book must be entirely without merit; equally, a book's inclusion in the canon should not exclude it from your Kindle. Indeed, the sudden mass availability of free ebooks via sites such as Project Gutenberg ought to bring "the classics" closer to all of us. But the innate human desire to make ourselves look cleverer than we are, combined with an overabundance of consumer choice and the intense cultural bombardment of the digital age, means we increasingly lack both the time and willpower to engage with anything longer than 140 characters or more demanding than Granta or Grazia. Better to speak volumes than to read them.
The traditional pleasures of reading are more complex than just enjoyment. They involve patience, solitude, contemplation. And therefore the books that are most at risk from our attention and integrity deficits are those that require a bit of effort. In a brilliant essay in New Zealand's Metro, the writer Eleanor Catton, winner of last year's Man Booker prize for The Luminaries – a remarkable and groundbreaking novel I haven't read yet – defines the incompatibility of art and the shopping cart. "Consumerism," she writes, "requiring its products to be both endlessly desirable and endlessly disposable, cannot make sense of art, which is neither." Books such as Middlemarch or Moby-Dick were never intended to be snapped up or whizzed through, or to be subject to one-star reviews on Amazon where that commendation has only been grudgingly awarded because "the book arrived well packed". Middlemarch was here before we arrived, and it will be here long after we've gone. Perhaps we should have the humility to say: OK, I didn't get it. What can I learn?
In this context, spats over whether a novel comes from Britain or America – and the subsequent spats over those spats – can seem both silly and somewhat decadent. Gove is an educated man and would surely acknowledge that the repurposing of art to reinforce notions of cultural identity is something beloved of, and practised by, political regimes on both the far left and far right. Yet it is hard to believe that the education secretary, like parents, teachers, writers, librarians, booksellers and readers everywhere, does not want our children to discover the rush of excitement and recognition that occurs when we look up from a great book and think: yes, the world is like that.
And for that to happen, we need to rediscover our commitment to staring at lines of words on pages until first the lines, and subsequently the pages, run out – and keeping our opinions to ourselves until we know what they are. The old "no talking" signs in libraries were there for a reason. It's not what we read that matters; it's how.
Reading is a broad church. But it is still a church. It might behove the congregation to bow its head occasionally in silent contemplation.

Andy Miller (2014). We are losing the art of reading. The Guardian. Disponível em: http://www.theguardian.com/commentisfree/2014/jun/08/art-reading-pleasures-content-books?CMP=fb_gu (acedido a 8 de junho de 2014).

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Pepe Danquart

Der Schwarzfahrer (1993)

[com legendas em inglês]


Peter Danquart (1993). Der Schwarzfahrer. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=XFQXcv1k9OM (acedido a 5 de junho de 2014).

quarta-feira, 4 de junho de 2014

terça-feira, 3 de junho de 2014

Leonard Cohen

Democracy



Leonard Cohen live in London | Democracy | PBS. Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=vHI9BTpGkp8 (acedido a 3 de junho de 2014).

segunda-feira, 2 de junho de 2014

David Mourão-Ferreira

E por vezes

[poema lido por Elisabete Pedreira, no âmbito da iniciativa "Um Poema por Semana" - RTP2 (2011)]





E por vezes as noites duram meses
E por vezes os meses oceanos
E por vezes os braços que apertamos
nunca mais são os mesmos E por vezes
encontramos de nós em poucos meses
o que a noite nos fez em muitos anos
E por vezes fingimos que lembramos
E por vezes lembramos que por vezes
ao tomarmos o gosto aos oceanos
só o sarro das noites não dos meses
lá no fundo dos copos encontramos
E por vezes sorrimos ou choramos
E por vezes por vezes ah por vezes
num segundo se evolam tantos anos


Fontes:

David Mourão-Ferreira. «E por vezes». In: Obra Poética 1948-1988. Lisboa: Editorial Presença.

Vídeo disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=xaNDpmn-J7A (acedido a 2 de junho de 2014).


quarta-feira, 28 de maio de 2014

Maya Angelou (1928-2014)

[Vídeo: Maya Angelou declama o poema "Still I rise"]


Fonte: Maya Angelou. Still I rise. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=JqOqo50LSZ0 (acedido a 28 de maio de 2014).

terça-feira, 27 de maio de 2014

Miguel Torga

Leiria, 10 de Abril de 1940.

Visita

Fui ver o mar.
Homem de pólo a pólo, vou
De vez em quando olhá-lo, enraizar
Em água este Marão que sou.

Da penedia triste
Pus-me o olhar aquele fundo
Dentro do qual existe
O coração do mundo.

E vi, horas a fio,
A sua angústia ser
Uma espécie de rio
Que não sabe correr.



Miguel Torga (2001). «Visita». In: Antologia Poética. Lisboa: Círculo de Leitores, p. 253.

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Nanda Caro

Le Pen, las palabras y el alma

La ciencia nos explica que dejamos de ser homínidos para convertirnos en humanos en el momento en que adquirimos el don del lenguaje. Así, explicado con este escaso rigor científico, parece que las palabras nos dieron la oportunidad de ponerle nombre a las cosas, de comprenderlas, de explicarlas, de compartirlas. Y que eso nos humaniza.

Las palabras, queriendo o sin querer, dicen cosas de quien las pronuncia. La mayoría de las veces no hacen más que explicar cosas cotidianas, propias del ser terrenal, simple, desvalido y a veces entusiasta que somos. Otras son capaces de mostrar nuestros momentos de grandeza, y otras también nuestros momentos de inutilidad. Así somos, de simples, grandiosos y miserables.

Quisiera que alguien con conocimientos científicos, incluidos los filosóficos, me explicara cómo es que las palabras impactan de manera distinta en nuestro organismo. No sé si lo han observado, pero si nos detenemos a ver su trayectoria, sin duda es así.

Hay palabras que son caricias, te tocan en la piel, y reconfortan. De éstas, la mayoría se pronuncian en la cotidianeidad del día a día, entre la gente que se quiere, se apoya, reconciliándote con la grandeza de la vida. Pero las hay también célebres: Frida Kahlo postrada en su cama “pies para que os quiero si tengo alas para volar”.

Hay palabras que impactan en el pecho, con una suavidad intensa y lo llenan de aire puro. Emily Dickinson: “Ignoramos nuestra verdadera estatura hasta que nos ponemos de pie”. Concepción Arenal: “abrid escuelas y se cerrarán cárceles.” Y hasta Cervantes: “Cambiar el mundo, amigo Sancho, no es locura ni utopía, ¡sino Justícia!”.

Hay palabras que llegan directamente al cerebro, provocando una sonrisa satisfecha, de quien ha conseguido comprender lo que parece incomprensible: como cuando José Mujica dice que nunca más volverá a pronunciar la palabra austeridad, porque en Europa la hemos pervertido, porque austeridad no es dejar a la gente sin trabajo, y sin esperanzas. Es difícil escoger alguna entre las muchas que, en este sentido, pronuncia Ada Colau “Esta lucha no es opcional, hay que hacerla porque la vida de la gente está en juego”.

Hay palabras que golpean en el cerebro, insultan la inteligencia, hacen que tu razón se revele contra ellas: dice el expresidente Matas que solicita cambiar su condena de nueve meses por trabajos en beneficio de la comunidad. Cosa curiosa, cuando su enjuiciamiento, que todavía nos depara múltiples sorpresas y confío que alegrías, es precisamente por no haber sabido cumplir con su compromiso (que juró, por cierto) con esta comunidad. Esta es reciente, pero hay muchas: ¿recuerdan cuando Aznar aseguró que hablaba catalán en la intimidad?

Hay palabras que dan en el estómago, como un mal golpe, te dejan sin aliento, al borde del vómito, como las que dijo Juan Cotino, el presidente de las Corts Valencianes: “debería ser obligatorio que las mujeres que quieran abortar vieran una ecografía de su hijo antes de decidir”, inspiradas en las del ministro candidato Cañete, que propuso, entre chanzas, que la mujer en cuestión viese la ecografía mientras abortaba. ¿De qué parte putrefacta de su cuerpo les nace semejante maldad?

Hay palabras que dan en los intestinos, con más intensidad excretora que el vómito, no puedes sino revelarte contra ellas expulsándolas en su forma más indigna y pestilente (ustedes ya me entienden). Andrea Fabra, diputada del PP por Castellón e hija del barón regional Carlos Fabra, gritando “¡que se jodan!” después de que Rajoy anunciase el recorte de las prestaciones por desempleo. Rafael Hernando, portavoz adjunto del PP en el Congreso, insultando la dignidad, justicia y reparación que reclaman desde la Memoria Histórica: “algunos se han acordado de su padre cuando había subvenciones para encontrarlo”, refiriéndose a las vergonzantes e infames fosas del franquismo. 

Pero hay palabras que dan en una parte de tu ser que es todo tu ser: esa parte que en la que eres toda tu, y sin embargo no podría afirmar que exista, esa parte que no es la piel, ni el cerebro, ni los pulmones, ni el estómago, ni los intestinos, sino un lugar mucho más profundo, menos carnal, y quizás el más humano. Eso debe ser el alma, digo yo. El jueves pasado las palabras de Le Pen me golpearon el alma: me dejaron sin aliento, me atravesaron el estómago y sentí ganas de expulsar la pestilente hiel que contenían: “El Ébola puede solucionar el problema de la inmigración en tres meses”. Resulta imposible reaccionar, porque la reacción te puede llevar a convertirte en el mismo bicho despreciable que es quien las pronuncia, o quien las jalea. Sólo me es posible desear que, ya que la justicia divina no existe (si fuese así le hubiera fulminado con su rayo justiciero), sea posible que la justicia humana condene esas palabras por genocidas. 

Las palabras que golpean el alma no deberían poder ser pronunciadas por alguien que se jacte de haber dado un salto evolutivo para convertirse en humanidad, deben provenir de la ameba, o de la hydra, tanto da si es la real o la mitológica. 
[…]


Nanda Caro (2014). «Le pen, las palabras y el elma». El Periscopi, 26 de maio de 2014. Disponível em: http://www.elperiscopi.com/?contenido_servicio_tabla=detalle_noticia&contenido_id_noticia=5251#.U4MGQ5ONPik.facebook (acedido a 26.05.2014).

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Miguel Torga

Coimbra, 11 de Março de 1952

Retrato

O meu perfil é duro como o perfil do mundo.
Quem adivinha nele a graça da poesia?
Pedra talhada a pico e sofrimento,
É um muro hostil à volta do pomar.
Lá dentro há frutos, há frescura, há quanto
Faz um poema doce e desejado;
Mas quem passa na rua
Nem sequer sonha que do outro lado
A paisagem da vida continua.



Miguel Torga (2001). Antologia Poética. Lisboa: Círculo de Leitores, p. 292.

quinta-feira, 22 de maio de 2014

Pawel Kuczynski

Confession




Pawel Kuczynski (2014). Confession. Imagem disponível na “unofficial page” do ilustrador no Facebook: https://www.facebook.com/222849284410325/photos/a.315950128433573.91004.222849284410325/829208553774392/?type=1&theater (acedido a 22 de maio de 2014).

quarta-feira, 21 de maio de 2014



A missão dos intérpretes também é evitar conflitos na Babel da UE

Um orador alemão fala para uma sala em que metade são alemães e uma parte portugueses. Quando diz uma piada, metade da sala ri-se. O intérprete fica sob pressão: se não conseguir fazer passar a mensagem com a mesma graça, e a outra metade da sala não se rir, vai ser óbvio que há algo que se perdeu, uma falha na comunicação. Quando fala, a metade portuguesa da sala ri-se. Ele pode ficar descansado.

Já aconteceu a Francisco Falcão e é dos momentos que considera mais desafiantes na interpretação – mesmo no Parlamento Europeu (PE), uma instituição que muitos não associarão a humor. “Mas há momentos de humor, sim”, diz o chefe de unidade portuguesa da Direcção-Geral de Interpretação de Conferências do PE, com o seu modo de falar calmo. “Pode ser sarcasmo, ironia, um pequeno remoque. E encontrar uma expressão que seja fiel ao espírito do orador – pode não ser textual, mas que corresponda – já é um grande desafio, e gosto disso.”
Há uma história que circula entre os intérpretes de alguém que, vendo-se sem saída numa situação destas, com um trocadilho intraduzível e inexplicável em tempo útil, encontrou uma solução. Disse apenas: “Agora riam-se.” A sala riu-se, a comunicação não ficou interrompida. “A interpretação é baseada na confiança e se há uma parte da sala que está a rir e outra parte que não está...”
Outro desafio é a emoção. Lembra por exemplo quando Malala Yousafzai, a jovem paquistanesa que quase morreu num ataque dos taliban por ter desafiado a ordem de que as raparigas não podiam ir à escola, recebeu o Prémio Sakharov. “O depoimento, apesar de tranquilo, era muito emotivo. O meu primeiro objectivo é passar a mensagem, e controlar a minha emoção”, nota.
Francisco Falcão traduz de espanhol, francês, inglês, alemão, neerlandês e sueco para português (sempre para português – no PE, o princípio é de que se interprete sempre para a língua materna).
“Curiosamente, espanhol foi a última língua que acrescentei.” Porque para interpretar não basta conhecer uma língua. “É preciso conhecer a estrutura do país, saber também cultura, isso é que nos ajuda a um bom trabalho”, sublinha. “Há vários níveis de conhecimento que exigem estarmos muito actualizados. Antes, o intérprete consumia muito papel, agora consome muita Internet para saber quais são os temas de actualidade.”
É que falar uma língua não é só falar uma língua: “Cada vez que se aprende uma língua, descobre-se outro mundo, outra forma de ver as coisas.”
No seu dia-a-dia, faz sobretudo interpretação em cabina, e, como chefe de unidade, gere uma equipa de intérpretes. A maior parte do tempo em Bruxelas, uma semana por mês em Estrasburgo, as duas sedes do PE. Começou a trabalhar como intérprete no Parlamento Europeu em 1994 como freelancer, como funcionário em 2000 e chefe de unidade em 2009, enumera.
Também explica que um dos maiores mal entendidos em relação à interpretação é que as pessoas acham que se traduz palavra a palavra. “Não, o intérprete fala mal haja uma unidade de sentido”. É um trabalho muito exigente “porque estamos a fazer algo que não é natural – ouvir e falar ao mesmo tempo”. O grau de concentração exigido é muito grande, e por isso o tempo máximo de interpretação é de 30 minutos e os intérpretes vão-se revezando. Isto na interpretação mais comum, a simultânea, feita em cabinas, na sala – “estamos presentes mas não estamos”.
É o grosso do trabalho do intérprete, embora também haja ocasiões em que é feita interpretação sucessiva – “alguém faz um discurso, o intérprete toma notas e reproduz noutra língua” – ou chuchotage ou sussurrada – “alguém está fisicamente presente entre duas pessoas e faz passar a mensagem: acontece em reuniões de alto nível, quando se vêem dois chefes de Estado e alguém atrás de um deles a sussurrar.”

Primeiro Interrail em 1977

Francisco Falcão sempre gostou de viajar e conhecer mais línguas e mundos. Em 1977, “com 16 anos e meio”, fez o seu primeiro Interrail. “Vinha de uma cidade de província (Santarém) e, quando soube que havia aquilo – tinha acabado de ser lançado –, pensei: ‘Eu quero fazer isto’ e juntei as minhas mesadas todas e fui.” O objectivo era chegar à Finlândia, “porque tinha conhecido uns finlandeses num festival de folclore em Santarém e achei aquilo tudo tão fascinante, tão diferente, que pensei: ‘Quero ver e conhecer isto’. E meti-me no comboio e fui naqueles comboios todos até à Finlândia. E não era nada de namoro nem nada, era mesmo ser diferente.”
Depois deste, seguiram-se muitos outros Interrails, e quem sabe não se seguirão mais: “Sei que há Interrail a partir dos 65 anos. Quando tiver, vou fazer de novo, com certeza. Interrail sénior, já não falta assim tanto quanto isso”, brinca.
Apesar de todas estas diferenças que o fascinaram desde cedo, Francisco Falcão defende que há uma identidade europeia: “Nós somos europeus, independentemente de sermos desta ou daquela nacionalidade – e somos, eu sou português, sinto-me completamente português, e estou em Bruxelas e não sou belga, nem de Bruxelas. Mas cada vez que vamos para outro continente, mesmo para os Estados Unidos, somos completamente europeus.” “O facto de estarmos unidos não quer dizer que tenhamos de ser homogéneos. É uma riqueza tão grande.”
Desfaz o mito de que com 28 membros, a parte da interpretação no Parlamento Europeu se tornou muito complicada. “Já quando entrou Portugal e Espanha se dizia isso, que a estrutura não aguentava mais línguas. E sempre que vem uma nova vaga diz-se o mesmo. Mas é uma questão técnica apenas. Complexa sim, mas apenas técnica.” São mais de 300 intérpretes a tempo inteiro para que cada eurodeputado tenha a possibilidade de se expressar na sua língua materna. “Às vezes, fala-se do inglês como língua franca. Mas eu, em qualquer língua que não seja a minha, digo o que posso e não digo o que quero”, o que pode ser uma grande desvantagem – “a capacidade de persuasão pode ser posta em causa.”

Já houve outras crises

Nos seus 20 anos de trabalho no Parlamento Europeu, Francisco Falcão acompanhou a construção europeia, “na fila da frente, não como actor, como espectador”. E isso permite-lhe responder à pergunta: “O que é que já fizemos?”: “Já fizemos muito. Estive em reuniões em que se discutiu a reunificação alemã, a integração da Eslovénia antes dos outros países da ex-Jugoslávia. A adesão dos países que chamaram o ‘big bang’, tudo isso é importante. O caminho que foi feito é enorme”. Também já houve outras crises: “Nos anos 1960, a crise foi enorme, a França, por causa dos seus interesses na agricultura, teve a política da cadeira vazia. Há momentos de crise, mas a integração europeia é feita disso.
Em momentos como o actual, “há crispação”, admite, “e temos tendência a apresentar uma visão redutora do outro e simplificar – os países do Sul e os do Norte, os protestantes e os católicos…” enumera. “Mas temos de ler mais longe: em que foi baseado este projecto? Não há mais guerra entre nós. Esquecemos um pouco isso.”
Há desilusão, e desilusão tem-se traduzido numa subida de partidos eurocépticos, cuja representação neste próximo Parlamento Europeu deverá ser a maior de sempre. “Termos pessoas que são contra o projecto europeu dentro do Parlamento é uma coisa contraditória”, diz Francisco Falcão. “É uma novidade, até agora eram residuais. Como intérprete, apenas posso assistir.”
Como assistiu a muitos momentos históricos. Mas Francisco Falcão, a voz pausada, não vai mais nervoso nesses dias. “Não… não. Sentimos é que estamos a participar em qualquer coisa importante.” Para além da presença, um contributo. Porque a União Europeia, repete, “é um projecto de paz, de entendimento, é um projecto em que os conflitos – que há sempre – se resolvem pelas palavras, pela concessão, aqui e ali, pela negociação.” E os intérpretes trabalham justamente aqui: “Ao passarmos as palavras estamos a criar entendimento e a evitar o conflito, no fundo, é isso. É obviamente um contributo muito modesto, mas é isso.”
Esta é a última de onze paragens na Europa que vai a votos.

Maria João Magalhães (2014). « A missão dos intérpretes também é evitar conflitos na Babel da UE». Público. Disponível em: http://www.publico.pt/mundo/noticia/a-missao-dos-interpretes-tambem-e-evitar-conflitos-na-babel-da-ue-1636809 (acedido a 21 de maio de 2014).

terça-feira, 20 de maio de 2014

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Jean Pomereu



Foto disponível no artigo «A beleza das fotos desoladoras da Antárctida de Jean de Pomereu». Greensavers, 16 de maio de 2014. Disponível em: http://greensavers.sapo.pt/2014/05/16/a-beleza-das-fotos-desoladoras-da-antarctida-de-jean-de-pomereu-com-fotos/nggallery/image/sans-nom_3/#ngg-gallery-b4aff98561bb38c407a001b82c246a37-65774 (acedido a 16 de maio de 2014).

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Lula Pena

Fria Claridade


Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=UCrYkPgEkIM (acedido a 16 de Maio de 2014).

quinta-feira, 15 de maio de 2014

Gonçalo M. Tavares

O homem mal-educado

O mal-educado não tirava o chapéu em nenhuma situação. Nem às senhoras quando passavam, nem em reuniões importantes, nem quando entrava na igreja.
Aos poucos a população começou a ganhar repulsa pela indelicadeza desse homem, e com os anos esta agressividade cresceu até chegar ao extremo: o homem foi condenado à guilhotina.
No dia em questão colocou a cabeça no cepo, sempre, e orgulhosamente, com o chapéu.
Todos aguardavam.
A lâmina da guilhotina caiu e a cabeça rolou.
O chapéu, mesmo assim, permaneceu na cabeça.
Aproximaram-se, então, para finalmente arrancarem o chapéu àquele mal-educado.  Mas não conseguiram.
Não era um chapéu, era a própria cabeça que tinha um formato estranho.


Gonçalo M. Tavares (2004). O homem mal-educado. In: O Senhor Brecht. Lisboa: Caminho, p. 16.

terça-feira, 13 de maio de 2014

Bertolt Brecht

A QUEIMA DOS LIVROS

Quando o Regime ordenou que queimassem em público
Os livros de saber nocivo, e por toda a parte
Os bois foram forçados a puxar carroças 
Carregadas de livros para a fogueira, um poeta
Expulso, um dos melhores, ao estudar a lista
Dos queimados, descobriu, horrorizado, que os seus
Livros tinham sido esquecidos. Correu para a secretária
Alado de cólera e escreveu uma carta aos do Poder.
Queimai-me! escreveu com pena veloz, queimai-me!
Não me façais isso! Não me deixes de fora! Não disse eu
Sempre a verdade nos meus livros? E agora
Tratais-me como um mentiroso! Ordeno-vos:
Queimai-me!


Bertolt Brecht (1999). «A Queima dos Livros», trad. Paulo Quintela. In: Paulo Quintela. Obras Completas. Vol. IV. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, p. 50.

segunda-feira, 12 de maio de 2014

Álvaro de Campos

Quando olho para mim não me percebo.
Tenho tanto a mania de sentir
Que me extravio às vezes ao sair
Das próprias sensações que eu recebo.

O ar que respiro, este licor que bebo,
Pertencem ao meu modo de existir,
E eu nunca sei como hei-de concluir
As sensações que a meu pesar concebo.

Nem nunca, propriamente reparei,
Se na verdade sinto o que sinto. Eu
Serei tal qual pareço em mim? Serei

Tal qual me julgo verdadeiramente?
Mesmo ante as sensações sou um pouco ateu,
Nem sei bem se sou eu quem em mim sente. 


Fernando Pessoa (1986). Obra Poética. Vol. II. Lisboa: Círculo de Leitores, p. 141.

sexta-feira, 9 de maio de 2014

Bertolt Brecht

Se os tubarões fossem homens

«Se os tubarões fossem homens», perguntou ao senhor K. uma miúda, filha da sua senhoria, «seriam mais amáveis para os peixinhos do que eles são?» «Claro que sim», disse ele, «se os tubarões fossem homens, mandariam construir no mar enormes caixas para os peixinhos e punham dentro comida, tanto vegetal como animal. Teriam cuidado em fazer com que a água das caixas fosse continuamente renovada e, de um modo geral, adoptariam todo o tipo de medidas sanitárias. Se, por exemplo, um peixinho ferisse uma barbatana, far-lhe-iam logo um penso para não morrer antes de tempo. Para os peixinhos não ficarem melancólicos, de tempos a tempos organizariam grandes festas aquáticas porque os peixinhos alegres são mais saborosos do que os melancólicos. Como é natural, nessas grandes caixas também haveria escolas. E nessas escolas os peixinhos aprenderiam como se nada na goela dos tubarões. Seria necessário, por exemplo, aprenderem geografia para saberem onde encontrar os grandes tubarões que estão preguiçosamente a descansar num lado qualquer. É claro que a formação moral dos peixinhos seria o mais importante. Ensinar-lhes-iam que nada é mais sublime nem formoso do que um peixinho que se sacrifica alegremente, e todos deveriam ter fé nos tubarões, sobretudo quando prometem zelar pela sua felicidade futura. Far-se-ia os peixinhos compreender que um tal futuro só estaria assegurado se aprendessem a obedecer. Teriam de abster-se de toda a propensão baixa, materialista, egoísta e marxista; e se algum deles visse uma destas tendências manifestar-se deveria ser logo comunicada aos tubarões. Se os tubarões fossem homens, por certo fariam guerra uns aos outros para conquistar caixas e peixinhos estrangeiros. Mandariam os seus próprios peixinhos para a guerra, e ensinar-lhes-iam que há enorme diferença entre eles e os peixinhos dos outros tubarões. Como toda a gente sabe, proclamariam, os peixinhos são mudos mas calam-se em línguas muito diferentes e por isso é impossível entenderem-se. A cada peixinho que matasse na guerra uns quantos peixinhos inimigos, dos que se calam noutra língua, seriam dadas uma condecoração de algas marinhas e o título de herói. Como é natural, se os tubarões fossem homens também teriam a sua arte. Haveria belos quadros que representariam os dentes e as goelas dos tubarões em cores magníficas, como autênticos jardins onde é possível traquinar deliciosamente. Os teatros do fundo do mar mostrariam como os peixinhos heróicos e corajosos nadam com entusiasmo em direcção às goelas dos tubarões, e a música seria tão bela que os peixinhos, ao som das notas, precedidos pela orquestra, precipitar-se-iam sonhadoramente na garganta dos tubarões embalados pelos mais encantadores pensamentos. Também haveria uma religião, se os tubarões fossem homens. E ensinaria que os peixinhos só começam verdadeiramente a viver na barriga dos tubarões. Além do mais, se os tubarões fossem homens os peixinhos deixariam de ser iguais como agora são. Alguns deles obteriam cargos e passariam a ficar acima dos outros. Os que fossem um pouco maiores, teriam mesmo o direito de comer os mais pequenos. Apenas para os tubarões isto seria agradável porque teriam possibilidade de comer, mais vezes, bocados maiores. E os peixinhos maiores, os que ocupariam aqueles cargos, zelariam por que reinasse a ordem entre os mais pequenos e tornar-se-iam professores, oficiais, engenheiros de construção de caixas, etc. Para resumir, só se os tubarões fossem homens nasceria nos mares uma civilização.»


Bertolt Brecht. (1993). «Se os tubarões fossem homens». In: Histórias do Senhor Keuner, trad. Luís Bruhein. Lisboa: Hiena Editora, pp. 57-59.

quinta-feira, 8 de maio de 2014

Vergílio Ferreira

Aparição
[excerto]

Subitamente à beira de um monte, um homem de pelico ergueu a mão ao carro. Eram três ou quatro casas apinhadas num terreiro. Moura parou e reconheceu o homem:
― Você outra vez? Então o que é que há de novo?
― Eu sabia que o senhor doutor ia ali à dona Alzira e pus-me aqui à espera.
― Mas então o que é que há?
O homem olhou-me para ver até que ponto eu 'podia participar do seu segredo.
― Se é preciso, eu saio ― declarei.
― Não, acho que não ― disse Moura. ― O senhor doutor pode ouvir? ― perguntou.
― Ele também é doutor? - adiantou o homem raiado de esperança.
― É doutor, mas não é médico. Diga lá então.
E o homem contou uma história incrível. Moura já a conhecia, porque fez referência a uma consulta na cidade. Mas de nada lhe valeu, porque o homem queria contá-la outra vez desde o princípio. Receava decerto que lhe tivesse falhado algum pormenor e que isso lhe destruísse a esperança. Contava-a agora de novo:
― Quando foi da sementeira, o patrão Arnaldo dis­se-me: «Ó Bailote, tu já não tens a mesma mão para semear.» Porque eu, senhor doutor, tive sempre uma mão funda, assim grande, como um cocho de cortiça. Eu metia a mão ao saco e vinha cheia de semente. Ati­rava-a à terra e semeava uma jeira num ar.
Conta, bom homem, conta o teu sonho perdido. Tinhas, pois, uma boa mão de semeador bíblico. Atiravas a semente e a vida nascia a teus pés. Eras senhor da cria­ção e, o universo cumpria-se no teu gesto. E, enquanto o homem falava, eu olhava-lhe a face escurecida dos séculos, os olhos doridos da sua divindade morta. Ima­ginava-o outrora dominando a planície com a sua mão poderosa. A terra abria-se à sua passagem como à pas­sagem de um deus. A terra conhecia-o seu irmão como à chuva e ao sol, identificado à sua força germinadora.
― Agora o patrão diz que eu já não tenho mão.
E mostrava a sua desgraçada mão, envelhecida, car­bonizada de anos e soalheira. Moura olhou-me e sor­riu-me numa cumplicidade.
― Olhe. Faça ginástica aos dedos. Assim.
E exemplificava. De olhos escorraçados, o homem lamentou-se:
― Tenho feito, senhor doutor. Mas o patrão Ar­naldo diz que eu já não tenho mão. Veja, senhor doutor, então isto não será ainda uma mão de homem?
E tentava cavá-la fundo, com os dedos gretados no ar.
― Então que quer que eu lhe faça?
― Dê-me um remédio, senhor doutor. Um remédio que me ponha a mão como a tinha. Assim grande, assim funda, assim, assim...
E moldava no ar a capacidade de uma mão de Jeová. Fios de sol escorriam de uma azinheira perto da estrada. Os campos repousavam no grande e plácido Outono. E pelo vasto céu azul, sem a mancha de uma nuvem, ecoava levemente a última memória de Verão. Moura pôs o motor a trabalhar.
― Então passe muito bem ― disse ao semeador.
E o carro arrancou, erguendo o pó do caminho.
Mas a visita à doente foi breve. Era uma casa fidalga perdida no descampado. Espectros de um ou outro ho­mem ou mulher olhavam-me no carro parado, olhavam o silêncio em redor. Regressámos enfim pelo mesmo caminho. Quando, porém, chegámos ao monte do se­meador, saltou-nos à frente um grupo de pessoas numa sarilhada de gritos, de imprecações, braços no ar, braços apontados para uma loja. Moura saiu do carro e o ma­gote de gente seguiu-o. Fiquei só. Mas o médico regres­sava daí a pouco, pálido, transtornado.
― Que aconteceu?
Ele não respondeu logo, conduzindo o carro aos tro­peções. E só quando o monte se não via já me declarou:
― O homem enforcou-se.



Vergílio Ferreira (1994). Aparição, 41.ª edição. Lisboa: Bertrand Editora, pp. 60-63.

sexta-feira, 2 de maio de 2014

Alexandre O'Neill

FALA!


Fala a sério e fala no gozo
fá-la p'la calada e fala claro
fala deveras saboroso
fala barato e fala caro

Fala ao ouvido fala ao coração
falinhas mansas ou palavrão

Fala à miúda mas fá-la bem
Fala ao teu pai mas ouve a tua mãe

Fala francês fala béu-béu

Fala fininho e fala grosso
desentulha a garganta levanta o pescoço

Fala como se falar fosse andar
fala com elegância - muita e devagar.

Alexandre O'Neill (2004). «Fala!». In Poemário 2004. Lisboa: Assírio & Alvim.

quinta-feira, 1 de maio de 2014

Bertolt Brecht


PERGUNTAS DUM OPERÁRIO LEITOR

Quem construiu a Tebas das sete portas?
Nos livros estão os nomes dos reis.
Foram os reis que arrastaram os blocos de pedra?
E a várias vezes destruída Babilónia –
Quem é que tantas vezes a reconstruiu? Em que casas
Da Lima refulgente de oiro moraram os construtores?
Para onde foram os pedreiros na noite em que ficou pronta
A Muralha da China? A grande Roma
Está cheia de arcos de triunfo. Quem os levantou? Sobre quem
Triunfaram os Césares? Tinha a tão cantada Bizâncio
Só palácios para os seus habitantes? Mesmo na lendária Atlântida,
Na noite em que o mar a engoliu, bramavam
Os afogados pelos seus escravos.

O jovem Alexandre conquistou a Índia.
Ele sozinho?
César bateu os Gálios.
Não teria consigo um cozinheiro ao menos?
Filipe de Espanha chorou, quando a Armada
Se afundou. Não chorou mais ninguém?
Frederico Segundo venceu na Guerra dos Sete Anos. Quem
Venceu além dele?

Cada página uma vitória.
Quem cozinhou o banquete da vitória?
Cada dez anos um Grande Homem.
Quem pagou as despesas?

Tantos relatos.
Tantas perguntas.

Bertolt Brecht, Poemas e Canções, selecção e versão portuguesa de Paulo Quintela,
Livraria Almedina, Coimbra, 1975.
Paulo Quintela, Obras Completas, vol. IV, Fundação Calouste Gulbenkian, 1999.

Poema transcrito a partir de:
Carlos Castilho Pais (2006). «NOITE e DIA na tradução dos poemas de B. Brecht». Jornadas sobre Bertolt Brecht, Universidade Aberta, 26 e 27 de outubro de 2006. Disponível em: http://www.univ-ab.pt/~castilho/noite%20e%20dia.pdf (consultado a 1 de maio de 2014).