sexta-feira, 11 de abril de 2014

Eugénio de Andrade

ALENTEJO

Agonia
dos lentos inquietos
amarelos, 
a solidão do vermelho
sufocado,
por fim o negro,
fundo espesso,
como no Alentejo
o branco obstinado.

Eugénio de Andrade (1987). «Alentejo», In: Poesia e Prosa, 3.ª ed. aumentada. Vol. II. Lisboa: Círculo de Leitores, p. 19.

Sem comentários:

Publicar um comentário