segunda-feira, 6 de maio de 2013

Daniel Pennac, Excerto de "Mágoas da Escola"

     [...]
     A verdade é que fui um mau aluno e que a minha mãe nunca se refez completamente desse desgosto. Hoje que a sua consciência de senhora muito idosa abandona os limites do presente e reflui lentamente para os longínquos arquipélagos da memória, os primeiros recifes que emergem recordam-lhe a inquietação que a devorou durante toda a minha escolaridade.
     Pousa em mim um olhar inquieto e, lentamente:
      O que fazes na vida?  
 
     [...]  

     Nenhum futuro.
     Crianças que nunca virão a ser alguém.
     Crianças desesperantes.
     No ensino primário, no preparatório, depois no secundário, eu também acreditava piamente nesta existência sem futuro.
     É mesmo a primeira coisa de que se convence um mau aluno.
    Com essas notas, a que podes tu aspirar?

    – Acreditas que alguma vez chegarão ao sexto ano? (Ao sétimo, ao oitavo, ao nono, ao décimo, ao décimo primeiro, ao décimo segundo...)

       – Que probabilidade terás de fazer o bac, diz-me, por favor, faz as contas, que probabilidade em cem?
     [...]
Daniel Pennac (2009). Mágoas da escola. Porto: Porto Editora: p. 15 e 51

Sem comentários:

Publicar um comentário