quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

João Luís Barreto Guimarães, "A meias"

Bebo o meu café enquanto bebes
do meu café. Intriga-me que faças isso.
Se te posso pedir um
(se podes tomar um igual)
porque hás-de querer do meu?
Que
não. Que não queres. Escuso
de pedir
que não queres. Então
começo um cigarro e tu fumas
do meu cigarro dizes
«tenho quase a certeza de
não acabar um sozinha» por isso
fumas do meu.
Dá-te gozo esse roubar de
leves goles furtivos
dá gozo participar
do prazer que eu possa ter
contigo
(e entre nós)
dá-se agora tudo
a meias.
Extraído de:
(in «Poesia Reunida», Quetzal, Lisboa, 2011)
 
Página Paralela:

Sem comentários:

Publicar um comentário