terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Mário Cesariny

manhã fresca...

Manhã fresca, reclinada
pela primavera crescente.
O mais pequenino nada
está como se fôra gente.

De um rapaz que finda
(na alameda) uma novela perturbada,
uma mulher ainda linda
esperou mas não foi olhada

E na folhagem também
certo desencontro corre:
a primavera que vem
na trovoada que morre

Mário Cesariny (1981). «manhã fresca...», in: manual de prestidigitação. Lisboa: Assírio e Alvim, p. 78.

Sem comentários:

Publicar um comentário